domingo, 29 de outubro de 2017

[Resenha] Corpo, Audrey Carlan - Trinity #1

Título: Corpo
Autora: Audrey Carlan
Série: Trinity #1
Editora: Verus (cortesia)
Páginas: 364
Onde comprar: Amazon

Corpo, primeiro livro da série Trinity e escrito por Audrey Carlan, nos apresenta à história de Gillian Callahan, uma mulher que sofreu, por anos, uma relação abusiva com seu ex-namorado violento. Entretanto, ela se livrou dele, está segura, empregada em uma fundação de apoio a mulheres vítimas de violência e seguindo sua vida com o apoio de suas irmãs de alma. 
“Sou eu quem faz meus sonhos. Não sou mais a mosca morta que permite ser machucada.”

Gillian – ou Gigi para os íntimos – está viajando a trabalho. Pela primeira vez ela irá se apresentar perante o conselho da fundação para a qual trabalha, mas as coisas não acontecem como imagina, pois, apesar de não querer saber de homem nenhum, ela conhece um homem maravilhoso no bar do hotel onde está hospedada. Seu nome? Chase Davis. Mas, ao contrário do que podemos imaginar, ela não cai em sua lábia e dispensou o homem, mas ele não desiste fácil e a vida não é fácil, nénom? Chase é presidente da fundação que ela trabalha e o envolvimento entre eles fará com que muitas coisas venham à tona.

 

Já tinha tido contato com a escrita da autora e, apesar de não ter curtido a história, curti sua escrita. Decidi, portanto, me arriscar em ler Corpo. A leitura desse livro, entretanto, não estava prevista para acontecer tão cedo, pois eu iria demorar um tempo para compra-lo, mas a Verus fez uma baita surpresa e me enviou o livro, como que adivinhando meus desejos, obrigada seus lindos!

Como disse acima, Gillian passou por uma relação abusiva. Ela é uma mulher sofrida que acreditou que merecia o que o ex-namorado fazia com ela. Ela só mudou seu pensamento e foi salva quando encontrou a fundação para a qual, hoje em dia, trabalha. Apesar de ela ter sofrido, ela já teve outros relacionamentos e não tem problemas com relação a sexo, só não quer se envolver emocionalmente com alguém, tampouco parecer fácil, o que aconteceria se fosse para a cama dele no dia em que se conheceram.

Entretanto, eles se envolvem e, como disse, muitas coisas vêm à tona. Chase é um homem que está acostumado a ter tudo ao alcance de suas mãos e, quando Gigi se nega de cara, fiquei com a impressão que, quando ficarem juntos, ela não passará de uma grande conquista dele e isso a destruirá novamente. Mas, ao invés de o livro verter para esse ponto, ele verteu para outro que foi ainda pior: outro relacionamento abusivo.


Desta vez de uma forma diferente, sem espancamento, mas com pressão psicológica, com atividades ‘obrigatórias’ de serem feitas e resolvido apenas com sexo. Essas questões me incomodaram demais no livro, pois existem várias formas de um relacionamento abusivo acontecer e, nesta obra, temos um relacionamento dessa forma romantizado ao extremo.

Chase manda, Gillian obedece. Gillian pensa que é errado, mas é Chase, ele é um homão, ele é incrível, ele só quer seu bem, ela deve aceitar.

A história começa a melhorar, um pouco, quando temos um suspense em relação à Gillian, mas aí o livro termina e deixa muito a ser solucionado para o próximo volume.

Não posso dizer que detestei esse livro como aconteceu com A Garota do Calendário – da mesma autora – mas também não amei o livro, pois não precisamos de relacionamentos abusivos sendo romantizados, o mundo já é ruim demais para acharmos esse ciúmes e fanatismo normal. Nós precisamos de obras que abordam isso com propriedade, que nos mostrem que há outra opção e uma nova chance para pessoas que passaram por isso.


Entretanto, eu me encantei com as amigas de Gigi, elas foram, de longe, o ponto alto do livro. Também fiquei intrigada para esse suspense inserido ao final da obra, então, sim, vou dar minha cara a tapa e ler o próximo volume. Por fim, não posso dizer que não indico o livro, acho que cada um poderá entender a história de uma forma, mesmo porque tem leitores que o amaram.


Classificação:

20 comentários:

  1. Como alguém que já viveu um relacionamento abusivo eu devo confessar que é normal a gente achar que a culpa é nossa e que realmente se alguma coisa está errada, é porque merecemos. Mas, depois que me livrei disso e percebi tudo o que estava errado (e que nada era comigo) nunca mais na vida me sujeito a isso! Uma pena saber que tantas e tantas mulheres passam por isso em suas vidas e nem ao menos entendem pelo que estão passando e que elas não precisam viver dentro daquilo.

    Vou evitar esse livro porque tenho certeza de que essas questões vão me incomodar. Eu acho que devemos sim ter livros sobre tal assunto mas que ele deve ser abordado de forma extremamente responsável. E como também já li Garota do Calendário e detestei, acho melhor deixar pra lá haha.

    http://anneandcia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Está dica eu passo, infelizmente li algumas resenhas e todas concordam que romantizar um relacionamento abusivo não é nada literário.
    Lamentável que algo assim ainda seja escrito e vendido. O mundo já vai mal por suas próprias pernas, não precisamos de nada tentando fazer que coisas inadmissíveis sejam "normais".

    Feliz Halloween
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi.

    Recebi este livro e estou pensando em lê-lo em breve. Li uma resenha dele recentemente que me deixou um pouco receosa com o livro. Não sabia muitas coisas sobre a obra, e não sabia o que encontraria no enredo. Acho que vou deixar esse livro para ser lido depois e colocar outro em seu lugar.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. iish, detesto romantização de relacionamento abusivo... só pelo que li da resenha iria me irritar se fizesse essa leitura... nunca tinha ouvido falar do livro antes,mas de qualquer forma, não tenho interesse em ler...
    bjs...

    ResponderExcluir
  5. Oie amore,

    Que livro é esse... capa linda OMGGG!!!
    Adoro livros nessa temática, anotei a dica por aqui já!
    Excelente resenha!

    Beijokas!
    Blog Faces de Uma Capa

    ResponderExcluir
  6. Oi, Bruna! Tudo bem?
    Preciso dizer que você disse tudo nessa resenha? Concordei com tudo que você falou.
    Eu nunca tive curiosidade de ler A garota do calendário, mas esse eu fiquei curiosa só pela temática do relacionamento abusivo. E a autora ganhou pontos comigo ao ressaltar que a culpa nunca é da vítima, porém, estragou tudo ao romantizar outro relacionamento abusivo. A sensação que eu tive é que ela colocou como se relacionamento abusivo fosse só a violência física, mas a pressão psicológica, o controle, a possessão e o ciúme exagerado fossem justificados por representarem o "amor" do Chase por ela ou pelo fato de que ele é um homem rico e acostumado a ter o controle.
    Confesso que nem o suspense me deixou muito animada para ler a continuação, mas se surgir a oportunidade eu posso até fazer uma tentativa.
    De qualquer forma, adorei sua resenha e espero que nos próximos livros a autora siga por um caminho mais coerente.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Olá, eu tenho esse livro aqui e estou doida pra ler. Esse livro me chamou bastante atenção a capa dele principalmente gostei da resenha

    ResponderExcluir
  8. Minha experiência com a outra série da autora foi muito negativa para mim, por isso, meu interesse por este livro é zero. Mas uma coisa que você colocou na resenha, me interessou um pouco e talvez eu venha a ler só por causa disso: a amizade entre as mulheres. Precisamos de mais enredos que fortifiquem isso.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi Bruna,

    Eu já vi outras resenhas sobre esse livro e foi a sua que eu achei mais sincera. Sinceramente, detesto que romantizem relacionamentos abusivos, então a história já perdeu todo o encanto para mim. De qualquer forma, se eu tiver a oportunidade, espero ter uma visão menos conturbada da história e tirar algo de bom dela, como a amizade entre as mulhres. :)

    bjs

    ResponderExcluir
  10. Oi Bruna,
    coméquié? A menina está se "recuperando" de um relacionamento abusivo e cai de paraquedas em outro? Com assim produção? Eu também não curti "A garota do calendário", tanto que mesmo tendo comprado toda a série empaquei em abril e não consegui continuar de jeito nenhum, mas esse eu quero sinceramente ler, não estou alimentando expectativas para evitar decepções mas admito que estou um pouquinho ansiosa.

    Abraços!
    Nosso Mundo Literário

    ResponderExcluir
  11. Algo que me incomodou demais foi a autora, ou a tradução usar sempre a mesma palavra "anuo" eu perdi as contas de quantas vezes li. Concordo contigo, o romance me pareceu demais um relacionamento abusivo, por mais que o homem seja rico, poderoso e protetor, as coisas que ele ordena... Isso não é amor, esse é o problema de alguns romances né? Romantizam quando deveriam aproveitar pra fazer uma crítica. Nesse ponto acho que a autora perdeu a mão na hora de escrever e nao sinto vontade de continuar a série. ):

    ResponderExcluir
  12. Oi, Bruna.
    Concordo com a sua opinião com relação ao casal. Achei que a Gillian se rendeu muito a ele e a Audrey acabou se perdendo, já que o livro era exatamente uma crítica aos relacionamentos abusivos.
    Estou ansiosa para o próximo volume e espero que ela consiga reverter isso.
    Um beijo,
    www.segredosentreamigas.com.br

    ResponderExcluir
  13. Olá...
    Eu não tenho uma boa relação com livros hots, acho totalmente desnecessário essa quantidade de cenas descritivas além da conta de sexo, então, é sempre um gênero que mantenho distância. Achei até interessante a autora abrir espaço para falar sobre romances abusivos, mas, pelo que li em sua resenha o livro parece não ser bem trabalhado.
    Passo a dica.
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Eu tenho o box Garota de Programa e ainda não li, achei bem interessante o enredo de relacionamentos abusivos, mas também não concordo com a parte que eles romantizam isso.

    Quero ler pq gosto muito das escrita da autora e por que fiquei curiosa, admito.

    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Lá vou eu dizer que passei muito por cima da resenha mais uma vez.
    Sim, Corpo é um livro que quero muito ler tirar minha conclusão sem saber de outras.
    Até porque a Audrey é uma autora que conheço e quero saber se ela evoluiu.
    Mas vi suas fotos e estou apaixonada! ❤
    Beijos
    www.manuscritoliterario.com.br

    ResponderExcluir
  16. Gosto do estilo de escrita da autora, embora não goste exatamente do que ela escreve. Estava pensando em ler esse livro para que a má impressão deixada pela série A Garota do Calendário se dissipasse. Contudo, nem perderei meu tempo. Não gosto de romantização de relacionamento abusivo, detesto! É impressionante como as pessoas acham que só agressão física é abusivo, como se pressão psicológica também não fosse. É como se o fato do personagem ser rico desse a ele o direito de "hipinotizar" a personagem e fazer com ela o que ele quiser. Aff. Há muitos romances assim por aí. Não gosto deles.

    ResponderExcluir
  17. Oi!
    Realmente me preucupa muito saber que a história pende pra relacionamento abusivo, porque eu detesto isso e morro de raiva quando é romantizado.
    Estou com o livro pra ler e minha bola é murchou legal, espero que ao menos possa tirar proveito do livro pra falar o quanto aquilo é errado hahahahah

    ResponderExcluir
  18. Olá,

    Eu li AGdC e vi que a autora não sabe trabalhar assuntos polêmicos, ela mandou muito mal no desenvolvimento de uma história de abuso sexual, por isso não fiquei animada para ler esse livro, principalmente se tratando de um relacionamento abusivo. Eu gosto da escrita dela, porque é leve e fluída, mas não tenho intenção de ler esse livro.

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Olá!
    Eu já curti A Garota do Calendário, então imagino que irei curtir muito esse! Que bom que você gostou mais desse que do outro, mas deu para ver que a autora ainda não conseguiu te convencer. Enfim, só não curtir saber que a história força mais pra esse lado de relacionamento abusivo, acho um tema muito frágil e que deve ser tratado de uma maneira bem leve.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  20. Olá Bru, tudo bom?
    Fico imaginando como uma autora constrói uma personagem que já se envolveu em um relacionamento abusivo, viu o quanto fez mal e cai em outro relacionamento assim, com abusos psicológicos e o pior: romantiza esse tal relacionamento. É como você mesma disse, o mundo já está muito ruim para autores colocarem coisas assim como normais, como se fosse algo maravilhoso. Só por aí já sei que não vou curtir a leitura, então passo a sugestão da vez. Amei a resenha e a sinceridade.
    Beijos!!

    ResponderExcluir