[Resenha] O poder, Naomi Alderman


Título: O poder
Autora: Naomi Alderman
Editora: Planeta | Selo: Planeta Minotauro (cortesia)
Páginas: 368
Onde comprar: Amazon

“O que você faria se tivesse o poder em suas mãos?”

O poder, escrito pela Naomi Alderman, nos apresenta à história de um universo onde as mulheres começam a ter o poder de eletrizar as pessoas da perspectiva de quatro personagens: Allie, uma jovem órfã que, ouvindo uma voz interna, torna-se Mãe Eva, uma líder espiritual; Margot, a prefeita de uma cidade norte-americana que quer subir de cargo e precisa, ao mesmo tempo, lidar com sua filha; Roxy, a filha de um mafioso que vê sua mãe sendo assassinada a mando de um inimigo de seu pai e, nesse momento, descobre seu poder; e Tunde, um jovem rapaz que é o primeiro a gravar o uso de poder por parte das mulheres e é um nome muito conhecido no mundo jornalístico.

Por meio de coisas que acontecem com eles vamos conhecendo como as mulheres descobrem seus poderes, o que fazem com ele e, principalmente, como os homens lidam com isso. Ao final de cada capítulo temos objetos de escavações arqueológicas que vão mostrando o passado dessas mulheres e da nossa história.

O poder é um livro que veio para abalar diversas estruturas e ser um belo de um tapa na cara, como muitas leitoras tem falado. No entanto, apesar de ele ser maravilhoso e repleto de lições valiosas, foi uma leitura bastante lenta para mim e um tanto quanto cansativa, mesmo com várias cenas de ação.

A Allie foi minha personagem favorita. Eu adorei a sua força e determinação, por mais que não achasse certo o que estava acontecendo eu gostei de suas atitudes e das escolhas que fez. Gostei de vê-la sair de uma casa onde era oprimida e ajudar outras pessoas. É óbvio que eu faria algumas coisas diferentes, mas ela foi muito bem construída e é uma personagem de suma importância para a história.


Margot é aquela típica mulher que está em busca de poder e poder. Sinceramente, algumas de suas atitudes me incomodaram, mas foi maravilhoso ver tudo o que ela fez para chegar onde chegou. A Roxy foi uma personagem ok. Ela passou por uma situação péssima com relação à mãe, mas deu a volta por cima e se mostrou uma pessoa de confiança de um grande traficante. Ela foi ganhando espaço num lugar onde só homem reinava.

Já Tunde foi um personagem que não consegui simpatizar, ele foi bem construído, teve grande importância para a história, mas ficou um tanto quanto apagado em alguns momentos e ganhou muito destaques em outros, quando não era necessário. No mais, sua personalidade é como a de um homem e isso funcionou bem no livro.

O desenrolar da história foi eletrizante porque acontece muita coisa. Num primeiro momento esse tanto de coisa acontecendo foi confuso. As mulheres ganharam um poder que todos desconheciam, começaram a se juntar em grupos e atacar homens. Sinceramente, não apoio isso. Da mesma forma como defendo que homens não ataquem mulheres, não quero que o contrário aconteça, mas ok. Você está sendo oprimida, os homens estão te prejudicando e te machucando, nada mais justo do que revidar.

A história é, basicamente, o crescimento do poder das mulheres, os homens tendo medo e cada um deles escolhendo o que vão fazer. O final, no entanto, foi um tapa na cara tão bem dado que fiquei quase uma hora olhando para o nada e só absorvendo o que o livro tinha me ensinado.

Os homens no poder não são bons, será que as mulheres seriam? Vocês precisam ler esse livro para entender a grandiosidade dessa história e como ela nos muda. Seja você feminista, seja você apenas mulher, seja homem e, principalmente, machista, nós precisamos aprender com os nossos erros, não repeti-los e tentar, a todo custo, criar um mundo igualitário e justo.

Classificação:

11 comentários

  1. Gostei do livro, apesar de ser de um gênero que não leio com frequência, é bem interessante, ter protagonistas mulheres que ao decorrer de suas histórias acabam tendo poderes para revidar e lutar contra homens que fizeram mal na vida de ambos. Gostei da resenha!

    ResponderExcluir
  2. Olá!! :)

    Eu confesso que não conhecia este livro, mas ainda bem que gostaste de fazer a leitura! :)

    Que bom que o texto faz refletir, e que seja assim tao eletrizante!

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  3. Olá, adoro livros que têm uma repertório tão atual em sua temática e nos faz refletir sobre determinados assuntos. Só título do livro já nos conduz para uma dupla interpretação sobre o que veremos no livro, o que me deixa curiosa.
    Amei a sua resenha e a foto do livro!
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  4. Esse livro já chama a atenção pela capa, né?
    Já li algumas resenhas (todas elogiando a obra) e pretendo dar uma chance futuramente.
    Porém lendo a sua, já sei que devo ir mais devagar. Sinto que também será uma leitura lenta por aqui. É um tema importante e estou curiosa =D

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  5. Sinto cheiro de empoderamento feminino. <3
    Gosto bastante de livros onde existe uma história para ser desvendada, como você citou na resenha falando sobre escavações arqueológicas.
    Fiquei curiosa sobre o tapa na cara que você disse que sentiu. Tive essa impressão lendo "Um caso perdido", mas foi porque lá era uma história pesada, não bem um aprendizado como você falou que acontece nessa.
    Gostei da resenha e a foto ficou linda!

    Beijos.

    http://www.garotasdevorandolivros.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi Bru, tudo bem? Que foto linda no post, poxa vida, ficou maravilhosa demais! Sobre o livro em si, eu achei a premissa muito bacana e me lembrou aquela frase "mulheres são perigosas mas nunca deram o ponta pé inicial para uma guerra" e na verdade acho que é bem isso hahaha. Acho que eu ficaria incomodada com alguns pontos ressaltados por você, mas me parece uma leitura bastante válida.

    ResponderExcluir
  7. Tudo bem? Já tinha visto esse livro por aí e ficado interessada, mas sem de fato adicionar a minha meta, pois não sabia muito o que esperar. Depois da sua resenha tenho certeza que não apenas quero, mais vou ler.

    Curiosa para entender "por qual motivo você ficou tão surpresa com o final".

    Resenha excelente. Aguça a curiosidade sem passar demais.

    Beijos.


    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
  8. Não acho que o sexo influencia no modo como cada um encara e usa o poder. Acho que vai mais da pessoa mesmo. No entanto, o enredo usar isso é interessante, com certeza trás boas reflexões.
    Bjs Rose

    ResponderExcluir
  9. Olá,

    Acho que o mundo seria mais razoável se comandado por mulheres. Tenho visto muitas resenhas sobre esse livro, todas muito positivas, fico intrigada pois parece ser um livro muito rico, o único ponto que me incomodou um pouco, é por ser uma leitura mais lenta, mas pode acontecer de ser diferente comigo, então estou animada para conhecer essa trama.

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Olá, gostei de conferi sua opinião sobre esse livro que tenho bastante curiosidade de ler. Bem sinistro isso desse poder das mulheres, imagino se algo assim fosse real... Parece trazer uma reflexão bem bacana.

    ResponderExcluir
  11. sou assim tbm, tem personagens que não simpatizo de jeito nenhum kkk, eu quero muitoo ler esse livro *o*

    ResponderExcluir