segunda-feira, 28 de agosto de 2017

[Resenha] O escravo de capela, Marcos Debrito

Título: O Escravo de Capela
Autor: Marcos Debrito
Editora: Faro Editorial (cortesia)
Páginas: 272
Onde Comprar: Amazon | Saraiva

"Tendo as costas do escravo como tela, o feitor pincelava de vermelho o seu escárnio. Naquela aquarela abstrata de sangue e suor, a dor encontrava bem o seu entorno.". 

Confesso que não estava preparada para tamanha crueldade que estava por vir em O Escravo de Capela

Ter que lidar com toda tortura e sofrimento que os escravos passaram durante tempos foi algo totalmente inaudito na minha bagagem literária e posso dizer com convicção que, obviamente, foi um choque de realidade além de ter aberto novos horizontes de gêneros.

O Escravo de Capela é uma obra nacional onde temos abordagens folclóricas e fatos históricos de nosso país e com uma narrativa que exige bastante psicológico do leitores.

Das obras de Marcos Debrito, esta foi a primeira que tive contato e tal contato me proporcionou uma grande curiosidade para conhecer as demais. Me tornei fã da escrita do autor e da forma que conseguiu transparecer tamanho sofrimento. Foi como se estivesse presenciado cada fato narrado, devido as minuciosas descrições que foram essenciais para o meu encanto pela obra.
"A privação de uso do próprio nome é castigo dos mais perturbadores, mesmo quando já se está acostumado a ser chamado por outro.". 
O enredo nos traz à uma época onde o Brasil era comandado por senhores de engenho, que se mantinham e enriqueciam através do trabalho escravo. 

A colheita e moagem da cana era a realidade dos escravos da Fazenda Capela, comandada com rédea curta por Antônio Batista Segundo, o primogênito de Antônio Batista. 

Sabola, um recém chegado à fazenda, não entende o dialeto usado na Fazenda Capela e logo de cara já comete um erro grave durante o trabalho daquele dia.

 
"Tendo as costas do escravo como tela, o feitor pincelava de vermelho o seu escárnio. Naquela aquarela abstrata de sangue e suor, a dor encontrava bem o seu entorno.".
Os árduos trabalhadores da fazenda já estavam mais do que acostumados que se não andassem na linha, o castigo seria pago na própria pele. Aquele primeiro dia de Sabola e sua primeira lição despertou um ódio sem igual. Agora, mais do que nunca, ele precisava sair dali. 

Contando com a ajuda de um dos mais antigos escravos, Akili, Sabola deixa transparecer sua vontade de fugir daquele lugar desumano e se vingar a qualquer custo. Mas qualquer atitude suspeita seria arriscada. A Fazenda Capela era vigiada 24h e nunca um conseguiu escapar com vida.

Talvez Sabola também não conseguiria...
"As pás foram movidas e o defunto desmembrado começou a ser enterrado sem sequer terem lhe retirado o saco encharcado de sangue da cabeça. Apenas a boca escancarada, que insistentemente buscara o ar nos seus últimos suspiros, estava descoberta e não foi poupada de ser alimentada com a terra que o encobria.". 
Com um ato cruel e uma sede desumana por lição, Antônio Segundo, tira a vida daquele recém chegado a sangue frio.

Ele acreditava que ninguém mais se atreveria a tal atitude impensada. A perna dilacerada de Sabola foi um troféu e, ainda, um aviso aos outros.

O que ele não contava era com a volta dos mortos para vingar da vida retirada brutalmente de um inocente. A sede de vingança foi maior do que qualquer catecismo e conversão tentada pelo padre da Fazenda Capela.
 "O defunto do escravo estava de pé sob a ombreira e, como a mula, também ostentava um físico mais agressivo. Antes baixo e malnutrido, o negro agora era corpulento e ameaçador, como uma criatura que acabara de abandonar os tormentos do inferno. Mas era no rosto que o terror despachava sua epístola. Mesmo coberto com o pano encarnado pelo próprio sangue que vertera até a morte, a boca estava livre para expor os afiados dentes amarelados. E entre os buracos da trama de algodão, podia-se notar a intenção de carnificina nos olhos opacos cavados no interior do crânio.". 
O Escravo de Capela é aterrorizante e eu jamais havia me deparado com algo tão surreal e ao mesmo tempo convicto de sua existência.

O ápice do livro nos é relatado histórias do folclore brasileiro, o que, na minha opinião, concedeu à esta estupenda obra, todo o ar de veracidade tentado por uma ficção.



Nesta obra somos espectadores de um cenário torturante e agonizante e, parafraseando um outro grande ícone da literatura brasileira, cada página é um golpe cruel de chicote que sangra muito.

Na realidade me faltam palavras para conseguir descrever este sensacional enredo que tira o fôlego do leitor do começo ao fim. Mesmo as vezes sendo torturante conseguir ler e digerir tamanhas atrocidades, não consegui me desgrudar do Escravo de Capela até descobrir até que ponto a vingança pode chegar. 
"Os escravos sabiam que eram poucos os homens que sobreviviam a uma noite pendurados de cabeça para baixo com os punhos atados e o corpo anavalhado cheio de sal para lhes arder as feridas. Ainda eram deixados inteiramente nus, cobertos por mel para que os insetos noturnos os picassem. Os requintes de sadismo eram infinitos.". 
A Faro Editorial novamente realizou um trabalho gráfico digno de 5 estrelas. Cada detalhe nos proporcionava uma sensação sombria que faziam os pés gelarem e o estômago revirar.

Agradeço infinitamente ao Autor por ter tido a genialidade de uma obra como esta. Indico totalmente a leitura, mas logo aviso, terão os psicológicos altamente abalados pelo Escravo de Capela. 














Classificação:

20 comentários:

  1. Oie, tudo bom?
    Li recentemente uma resenha sobre essa mesma obra e fiquei pasma com a genialidade da obra. Apesar de serem fatos reais, não deixam de ser terríveis a ponto de virarem terror. Parabéns pela resenha e pelas fotos, quero conferir a obra um dia!

    ResponderExcluir
  2. Oie, ainda não conhecia esse livro, mas achei bem interessante, já quero ler
    Blog Entrelinhas

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia o livro, mas por abordar um tema diferente do que estou acostumada e ser bem forte, aparentemente, me deixou curiosa pra conferir, ainda mais o pano de fundo ser o Brasil.
    Espero ter a oportunidade de ler em breve!

    Virando Amor

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Nunca fiquei tão vidrada e interessada num livro nacional logo de cara, de verdade! Não tenho certeza se teria o psicólogo pra ler o livro, mas com certeza tenho vontade! O enredo todo me atraiu, desde a capa, até os personagens.
    É difícil encontrar livros com essa temática, contada de forma tão real e surreal, ao mesmo tempo!
    Um dia pretendo me dar o prazer de tentar me aventurar nessa! Adorei o texto e obrigada pela dica!
    Beijos,
    As Meninas Que Leem Livros~

    ResponderExcluir
  5. Oie!

    Estou louca para ler esse livro, foram poucas as resenhas como a sua que despertaram minha curiosidade sobre essa obra, mas vocês conseguiram me tirar o sono, agora é esperar o livro chegar aqui em casa para começar a leitura! Espero gostar como você!


    Bjss, vem participar do nosso sorteio serão três ganhadores, valendo um livro Fuck Love, um livro surpresa + um kit de mimos não perca a oportunidade! http://resenhasteen.blogspot.com.br/2017/08/sorteio-do-desapego-3-ganhadores.html

    ResponderExcluir
  6. A Faro Editorial realmente está de parabéns pela edição, essa capa ficou magnífica. Diante das suas considerações com o enredo também acredito que o autor Marcos Debrito foi muito feliz em nos contar essa história. Parece um enredo forte e que deixa sua marca no leitor após a leitura. Dica super anotada.

    ResponderExcluir
  7. Oii
    Não gosto de livros com tais temáticas (realistas e malvadas). Sempre digo que leio para fugir da realidade e não presenciar mais do horror que já foi e ainda é este meu País (se não o mundo todo).
    Acho importante a leitura de tais obras, mas não tenho estomago para isto.
    Então, passo a dica.

    Vícios e Literatura

    ResponderExcluir
  8. Imaginei esse cenário e me senti torturada. Acho que este livro é daquele tipo que desperta realmente os sentidos do leitor e eu adoro viver este tipo de coisa.
    Dica mais que anotada.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Olá amore,

    Não conhecia esse livro, mas pra ser sincera não curti não, passo a dica dessa vez!
    Parece se tratar de um livro intenso pro meu momento!

    Beijokas!

    ResponderExcluir
  10. Dias atrás me deparei com uma resenha desta obra. Ela já está na minha lista de futuras leituras. Até agora não vi críticas ruins sobre ela, o que me deixa ainda mais animada para lê-la. Bexitus!

    ResponderExcluir
  11. Já havia visto uma resenha sobre esse livro e mais uma vez me deparo com uma resenha falando da crueldade na época da escravidão. Nunca li nenhum livro que descreva a crueldade dessa forma como vc escreveu na sua resenha.

    Fiquei bem intrigada com esse livro e achei a capa lindíssima. Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Oi, Amanda.
    Ainda não tinha visto quase nada sobre essa obra, então, foi um prazer encontrar sua resenha por aqui :)
    Achei a premissa interessante e imagino que deve ser uma obra bastante densa e reflexiva, pela época em que o livro se passa... Fiquei com vontade de ler.
    Bjo

    ResponderExcluir
  13. Olá!Tudo bem?
    Sou apaixonada por livros que envolva história e folclore brasileiro.
    Como mostrou parece ser um livro de tortura mas um livro bem construído.
    Espero poder ler.
    Me interessei muito.
    Bjs

    ResponderExcluir
  14. oi, amanda. nossa, sua resenha ficou muito boa, e impactante, assim como parece ser esse livro. Adorei saber que ele é tão realista, e infelizmente vemos a realidade que muitos escravos passaram no passado. certamente entrou para minha lista de leituras

    ResponderExcluir
  15. Olá!

    Que resenha em hein!!

    Gosto bastante de livros que seguem essa temática e a capa me chamou bastante a atenção. Anotei a sua dica e vou conferir assim que possível.

    Beijos e Sucesso!!

    ResponderExcluir
  16. Olá.

    Conheço esse livro apenas pela capa dele. Acho que o vi nas redes sociais da editora. Esta também é a primeira resenha que leio dele. Pela capa, eu nunca imaginaria que o livro teria essa narrativa. Mas adorei poder conhecer o enredo através da sua resenha. Vou procurar pelo livro e mais sobre o autor. Assim que surgir uma oportunidade, eu tento ler o livro.

    ResponderExcluir
  17. Vi outra resenha desse livro e fiquei assustada com a crueldade dele! Essa época do nosso país é realmente bruta, vemos muito pouco do que realmente aconteceu e, ver isso retratado em um livro, de forma "lúdica", com certeza causará um grande impacto nos leitores! Não é algo que eu leria, tenho evitado literatura assim... mas acredito que o autor teve sucesso em alcançar aquilo que desejava, pelo que você contou em sua resenha!

    Abraços!
    www.asmeninasqueleemlivros.com

    ResponderExcluir
  18. Oi, Amanda!
    Achei a edição muito linda, mas é o tipo de leitura que não consigo absorver bem. Me pareceu uma leitura densa e pesada, acho que não me agradaria tanto.
    Beijos,

    Rafa - blog Fascinada por Histórias

    ResponderExcluir
  19. Olá,

    Eu tinha uma ideia errada desse livro, sempre achei que ele fosse voltado para o gênero terror e percebo que não é só isso. Muitas pessoas estão elogiando a obra e falando o quanto o livros mexeu com elas, e estou bem curiosa para saber o que há de tão bom nesse livro. Com toda a certeza, irá para minha lista de desejados. Acho a capa um pouco assustadora, contudo, acho essa edição bem bonita.

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Olá Amanda,
    eu nunca li nada dessa editora, mas esse livro definitivamente tem me chamado a atenção, principalmente porque tenho lido resenhas super positivas e mesmo estando com um pouco de receio, porque sim eu sou medrosa, acho que vou acabar arriscando, sabe? Já li alguns livros assustadores durante a vida, mas confesso que não é minha primeira opção de leitura, no entanto eu defendo a máxima de que se o livro é bom então vale a pena sair da zona de conforto, não é mesmo?

    Abraços!
    Nosso Mundo Literário

    ResponderExcluir