[Resenha] Corações nas sombras - Presságios de Guerra, Allan Francis - Coleção Mundo Fantástico #1


Título: Corações nas sombras – Presságios de Guerra
Série: Coleção Mundo Fantástico #1
Autor: Allan Francis (cortesia)
Editora: Chiado
Páginas: 736
Onde comprar: Amazon

"A guerra cobra seus maiores tributos dos mais inocentes - pensou."

Corações nas sombras – Presságios da Guerra é o primeiro volume de Coleção Mundo Fantástico e o primeiro livro que leio escrito pelo Allan Francis, um renomado autor nacional de fantasia.

O autor entrou em contato comigo há um tempo, pois havia lido um comentário meu em uma resenha e gostaria que eu fizesse a leitura. Sinceramente, fiquei receosa à época, pois, apesar de o livro ter uma proposta muito interessante, ele é um calhamaço e, em meio a tantas leituras, estava com medo de não dar conta desta, mas me arrisquei e estou aqui, hoje, para apresentar minhas impressões para vocês.

O livro nos embarca em uma jornada através de Ifíanor, seus diversos reinos e raças, com uma carta enviada por Sindara e uma narrativa em terceira pessoa apresentando a perspectiva de diversos personagens, o leitor é enviado para o passado e presenteado com uma história sobre a guerra que está sendo travada entre orgs, elfos, humanos, magos e outros seres e como Sindara está longe de seu grande amado.

A história irá, então, apresentar, a cada capítulo, um grupo de personagens diferentes que nos mostram aos poucos diversos acontecimentos e que fazem parte de uma grande trama que será trançada aos poucos. Temos, por exemplo, a história do Castelo de Dankar, onde um dos talismãs de Ifíanor está guardado, que é invadido e o talismã roubado. A guardiã desse talismã, feiticeira Selene, é vítima de uma poderosa magia negra e parte, então, em busca da cura do mal que lhe aflige e do talismã roubado.

O invasor e ladrão do talismã é Tanor e isso não é um spoiler, pois é apresentado logo no primeiro capítulo e ele tem uma atitude hedionda que me incomodou muito. Os demais capítulos vão criando, então, toda a trama e deixando o leitor curioso para o que vai acontecer.

Diferente do que havia imaginado com a resenha que li, não me senti envolvida por esses personagens e pela narrativa. Ele é interessante e o universo criado pelo Allan é fascinante, não nego, mas acho que o autor se prolongou em algumas situações que não eram necessárias. Eu precisei reler algumas partes, pois não conseguia me conectar à história e, portanto, me perdia e divagava por outros acontecimentos externos. Então, infelizmente, a leitura demorou bastante tempo, uma vez que eu lia umas 10/30 páginas por dia e me cansava.

Acredito que o principal fator para isso acontecer foi a quantidade assombrosa de personagens e seres mágicos, isso virou um bolo bastante grande na minha mente. Mesmo fazendo uma espécie de “mapa” sobre os personagens e sua importância na obra, ainda não consigo falar sobre eles um por um, mas, não posso negar, a construção deles foi fascinante.


No entanto, apesar de ter tido problemas com relação a leitura e ao extenso número de personagens, tenho que confessar que tiro meu chapéu para o Allan e o universo que ele criou – como disse anteriormente – foram trabalhadas questões que muitos autores de fantasia não ligam muito tais como: economia, religião e, até, tecnologia. A forma como ele explorou esses pontos foi o que me fez seguir em frente nessa leitura.

Outro ponto extremamente positivo e que fez valer a pena todos os dias que me dediquei a essa leitura foi o final. O autor, no decorrer do livro, deixou algumas pontas abertas, mas, ao final, me maravilhei quando vi tudo sendo amarrado e isso foi feito com bastante propriedade, então, sim, o autor sabia por quais águas estava navegando e não se perdeu em momento algum.

Por fim, acredito que Corações nas sombras – Presságios de Guerra é um livro de fantasia que agradará muitos leitores do gênero, mas que precisa ser lido com dedicação e calma. É aquele típico livro que precisa ser degustado e não devorado. Talvez, por isso, eu tenha desgostado de algumas partes: por não ter me dedicado de corpo e alma a essa leitura. Gostaria, quando estiver de férias, de reler esse livro e comparar minhas novas impressões com as que escrevo agora. E, vocês, gostam de fantasia? O que acham desses universos repletos de personagens e questões sociais?

Classificação:

3 comentários

  1. Olá,
    Não sou uma leitora assídua de fantasia, na verdade leio bem pouco o gênero. E acho que a quantidade de personagens me deixaria confusa, mesmo assim o enredo parece interessante para fãs do gênero, que creio eu iriam gostar muito.

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  2. Oi Bru
    Que pena que não se ligou tanto ao livro. Pra ser sincera, quando comecei ler ele, demorei pra engatar na leitura, mas depois que eu decidi deixar ele de lado, li outro livro e voltei pra ele, ai eu consegui mergulhar na história e me apaixonei pelo que encontrei. Estou ansiosa de mais pra continuação da história. Preciso saber o que vai rolar com a Alásia e o Cirdan.

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir
  3. Vc já jogou Nostale? Nossa essa capa chamou a minha atenção pq parece um dos personagens do jogo hahahahha. Eu não conhecia a obra, mas acredito que me incomodaria com as mesmas ressalvas. =/.. porém acredito que daraia uma chance pra leitura =D

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir