[Resenha] Aos dezessete anos, Ava Dellaira

Resultado de imagem para aos dezessete anosTítulo: Aos dezessete anos
Autora: Ava Dellaira
Editora: Companhia das Letras | Selo: Seguinte (cortesia)
Páginas: 445
Onde comprar: Amazon

"Uma foto pode ser guardada, compartilhada, presenteada. Pode se renovar aos olhos de cada um que a vê.

Aos dezessete anos, obra de Ava Dellaira, é uma história emocionante sobre as relações familiares, mais especificamente entre mãe e filha, e também sobre o amor. 

Ao longo da obra, nós acompanhamos um momento da vida de duas pessoas: Marilyn (a mãe) e Angie (a filha). Aos dezessete anos, Marilyn passou por uma experiência amorosa enriquecedora, mas traumática, que envolve o amor da sua vida: James. Já Angie, filha de Marilyn, também aos dezessete anos, passa pela experiência de descobrir o que aconteceu com seu pai, coisa que sua mãe nunca revelou. Angie decide procurar sozinha pelas respostas das perguntas que a atormentam e que sua mãe nunca deu: onde está seu pai? É possível que ele esteja vivo? O que aconteceu com ele, quando a mãe tinha a sua idade?

A partir do que expus acima, o livro se compõe. Escrito em 3ª pessoa, temos duas histórias sendo contadas: a de Marilyn e a de Angie, mãe e filha, que aos dezessete anos, passaram por uma crise existencial gigantesca, com dificuldades, escolhas e descobertas.

"Faz quase uma hora que Marilyn saiu para trabalhar. Quando voltar, vai descobrir que a filha foi embora."

Aos dezessete anos é uma história trágica e linda, linda e trágica. O clima do livro é melancólico, triste e reflexivo. Faz você lembrar de quando tinha dezessete anos, de filmes dos anos noventa, ruas de areia desertas e um céu azul limpinho. 

No geral, eu gostei de ler Aos dezessete anos e chorei com as últimas páginas. Fazia tanto tempo que isso não acontecia comigo! A história é bonita e real. Temos o preconceito como uma temática presente neste livro, e ela foi trabalhada de forma minuciosa, o que tornou a abordagem gloriosa. 

As personagens da obra são interessantes, tanto as protagonistas, Marilyn e Angie, quanto as secundárias, como Justin (o irmão de James), Sam (o amigo/namorado de Angie), Manny (o amigo de Marilyn), Rose (a avó de Justin e James) e todos os outros. Cada um dos personagens se faz necessário na história e eu gostei da construção de todos eles. 

Tenho apenas uma crítica negativa: do início até mais da metade do livro, eu o achei um pouco cansativo e arrastado. As reflexões feitas nesse tempo foram válidas, mas o fato é que achei essa grande parte bastante cansativa mesmo, o que me fez querer largar o livro várias vezes. Mas que bom que eu persisti, porque é uma história sensacional e muito emocionante. 

"[...] Mas tudo bem sentir saudade. É melhor do que me sentir presa num lugar. Prefiro saudade do que tédio."

Aos dezessete anos é um livro sobre família, dificuldades, preconceito e amor. Apesar de cansativo em alguns momentos, é uma história linda que merece um lugar na sua estante e no seu coração.

Classificação:

9 comentários

  1. Oi Thami! Td bem?
    A capa desse livro é muito linda!
    O enredo n me chama muito a atenção, e estou num momento de que se ler um livro que vai se arrastando além da metade há grandes chances de eu abandonar, tô bem chata kkk
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem? Ahhh, que coisa boa ler uma resenha dessa livro por aqui! Li a obra há pouco tempo e curti bastante, principalmente por causa de toda a trama familiar, a relação entre mãe e filha, que a obra trás. Também achei um pouco cansativo em alguns momentos, mas nada que tirasse o brilho da história. Adorei a resenha!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  3. Oi, Bruna. Eu tenho muita curiosidade com esse livro, eu acho que deve ser uma ótima leitura. Gostei de ver a sua opinião sincera sobre o comecinho do livro, não gosto muito quando o começo é mais arrastado, mas também continuo a leitura porque geralmente as coisas melhoram e ficam realmente muito boas. Espero ler esse livro em breve, mas já vou sabendo o que esperar do começo.

    ResponderExcluir
  4. Puxa, que pena saber que achou grande parte cansativa e arrastada. Amei o outro livro da autora, Cartas de amor aos mortos e estou animada pra ler esse. Espero curtir mais que você e vou tentar manter minhas expectativas sob controle. Pelo menos você acabou achando a história linda.

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem? Eu fico feliz de ler mais uma resenha linda e verdadeira sobre esse livro, e mesmo dizendo que algumas partes foram cansativas, estou ficando cada vez mais curiosa para realizar a leitura dele. Percebi que ele possui uma trama familiar bem pesada e necessária, muitas jovens atualmente, têm problemas com as mães por falta de dialogo.

    Beijos e Abraços Vivi
    Resenhas da Viviane

    ResponderExcluir
  6. Drama familiar sempre é um bom livro.
    Gostei da sua opinião e achei essa capa uma fofura, já esta na minha lista de compras.
    Obrigado pela dica! Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Caramba, acho que hoje é a segunda resenha que leio desse livro e adorei a premissa dele. Duas opiniões diferentes, mas com um mesmo ponto: a emoção e a mensagem do livro. Espero mesmo poder ler em breve, pois já estou curiosa.
    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Oi, tudo bem? Essa é a minha leitura atual e fiquei feliz por não ler spoiler na sua resenha hahaha. Eu tô amando muito, porque já tinha lido Cartas de amor aos mortos, da mesma autora, e eu já tinha certeza de que ela escreveria outra história incrível. Eu discordo de você, não acho que a primeira metade do livro seja parada, eu nem cheguei à metade ainda e estou achando a condução nem um pouco cansativa. A minha preferida é a Marilyn <3

    Love, Nina.
    www.ninaeuma.blogspot.com

    ResponderExcluir