[Resenha] Onde não existir reciprocidade, não se demore, Iandê Albuquerque


Título: Onde não existir reciprocidade, não se demore
Autor: Iandê Albuquerque
Editora: Planeta | Selo: Outro Planeta (cortesia)
Páginas: 200
Onde comprar: Amazon

“Amar é saber abandonar o barco quando você estiver remando sozinho, é estar pronto para desatar os laços que se transformaram em nós apertados.”

Por mais leituras despretensiosas e desapegadas como esta! Estou muito apaixonada por livros que reúnem crônicas e relatos pessoais com as experiências do autor e de outras pessoas. Lançado pelo selo Outro Planeta, da editora Planeta Livros, a obra delineia textos para desapegar: de relacionamentos, pessoas, objetos etc. que nos impedem de crescer e amadurecer. Iandê escreve seus textos com uma linguagem clara e intimista, em que fixa um dialogo constante com o interlocutor, por meio de perguntas, reflexões, frases etc.

Aos olhos de alguns, essa obra seria egoísta por nos fazer pensar em nós mesmos. Por outro lado, eu concordo com o Iandê quando ele revela que precisamos nos amar antes de qualquer coisa. Uma vez que as pessoas ao nosso redor estão preocupadas com elas mesmas, nós acabamos nos deixando de lado - um dos motivos que nos leva a andar sempre para trás.


No capitulo inaugural já nos deparamos com uma dura verdade: Onde Não Existir Amor, Não Se Demore. De um jeito curto e "leve", este capítulo fala sobre relacionamentos abusivos, insistir em pessoas que nos levam a amar sozinhos. O amor requer reciprocidade. Até a lógica gramatical revela que o amor é um sentimento abstrato. Para que essa abstração exista é preciso estabelecer uma dependência. Ninguém ama sozinho, quando se trata de relacionamentos. Por isso o Iandê retrata e crava diversas vezes na ferida do amor próprio. A humanidade está esgotada de si, porque se preocupa com os Outros, antes de si.

O cansaço. As brigas. Falta de respeito. Falta de confiança. É o caminho para o fim. Não há porque insistir em sentimentos que te levam a amar pela metade. Que te impedem de ser bem sucedido. Que te faz perder tempo com coisas vãs.

“A gente não precisa ter medo de ficar sozinho, sabe? Além de a solteirice não ser o fim do mundo que pintam por aí, você pode aproveitar muitíssimo bem sua própria companhia.”
O capítulo que mais tocou na minha alma foi “Você Não Precisa Ter Medo de Ficar Sozinho". Eu tinha esse medo. Não podia pensar em perder quem eu amava que isso já me causava uma ansiedade tamanha. Mas, depois que eu perdi meu pai, vi que a coisa não é bem assim. Não podemos ter medo ficar sozinhos, porque viemos ao mundo sozinhos e vamos embora sozinhos. Por mais que as pessoas passem em nossa vida, elas estão de passagem. O mesmo vale para as pessoas que estabelecem uma dependência emocional forte. Isto pode ser prejudicial, porque nos privamos e nos prendemos a uma única pessoa. Somos seres sociais e precisamos viver em grupo. Como também precisamos de momentos particulares. Para conversar com o nosso Eu.


Livros como este nos abrem os olhos. Nos arranca da nossa zona de conforto. Por mais que alguns capítulos joguem a verdade: nua e crua, ele caminha com o intuito de nos mostrar: o amor próprio. Algo tão ausente na sociedade atual. Quantas pessoas não estão precisando de uma injeção de estimulo? Quantas delas não estão estacionadas em seus automóveis sentimentais? Quantas delas criam expectativas e as colocam em um potinho com uma tampa, e ali permanecem?

Iandê é um autor que dialoga com sua alma. Não que sua escrita seja um dom, mas o modo como ele usa a linguagem para nos atingir é um dom! Ao final da leitura, temos a certeza de que a felicidade só depende de nós mesmos. Que as escolhas que fazemos podem nos machucar ou nos fazer bem.


A obra como um todo está belíssima. A diagramação conversa, claramente, com a linguagem e as temáticas presentes no livro. A escolha de fontes e cores não me incomodou, dessa vez. Consegui ler a obra em uma única sentada. Pretendo reler em breve, mas preciso de um contra-gotas. Tomei doses muito altas de amor próprio. Se você precisa dela, esta obra é um remédio para alma.

Classificação:

18 comentários

  1. Nossa que lindo, estou encantada. Eu não conhecia esse livro e suas palavras e suas fotos me fizeram apaixonar, sinceramente consegui sentir o quanto gostou da historia e estou suspirando. Parabéns pela linda resenha.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Achei um livro lindo!
    Fiquei de verdade maravilhada com essa preciosidade.
    Há uns livros que eu quero e outros que eu preciso, que é o caso deste.
    Iandê conquistou meu coração à partir da sua resenha.
    Certamente será um livro que eu vou ter na minha estante.
    Grata!

    Eliziane Dias

    ResponderExcluir
  3. Oiii Amanda

    Definitivamente não é uma obra egoísta mesmo, acho importante livros que nos convidam a refletir assim, a olhar mais pra dentro de vez em quando sem culpa. E ultimamente algumas cronicas relamente tem conquistado espaço justamente por trazer estas reflexões importantes. Achei um mimo esse livro.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  4. Oi, Amanda. Eu já me interessei pelo livro só pelo título dele e lendo a sua resenha eu fiquei ainda mais interessada. Eu gostei muito de conhecer um pouco mais sobre a obra, é uma leitura que tenho certeza que me agradaria.

    ResponderExcluir
  5. Oi Amanda, eu gosto deste tipo de leitura, as vezes esquecemos de nos valorizar e estas leituras vem para abrir nossos olhos e nos mostrar o quanto somos importante, se não para os outros, pelo menos para nós mesmos. Adorei a dica.
    Bjos
    Vivi
    http://duaslivreiras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. olá
    O livro parece ser bem lindo mesmo, a diagramação pelas fotos merece destaque. Mas não sou chegada a auto-ajuda, porém sua resenha está ótima.

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  7. Oi Amanda, não conhecia o livro, mas já fiquei encantada, não só com o enredo como também com a publicação. Linda.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  8. Oieee tudo bem?
    Sempre vejo os textos do autor pelo instagram, curto muito, essa deve ser uma leitura intensa e gratificante.
    Espero poder fazê-la algum dia
    Beijoos

    ResponderExcluir
  9. Olá! Adorei a dica, porque a gente às vezes precisa ser lembrado que o amor próprio deve vir acima e antes de qualquer outro tipo de amor, não é mesmo? Eu não costumo ler livros com essa temática, mas esse realmente me chamou a atenção, por isso: dica anotada!
    Abraços

    ResponderExcluir
  10. Oi, tudo bem?
    Eu já tinha visto a capa desse livro e adorei saber mais sobre ele. Não é um gênero que eu costumo ler, porém, achei abordado tão relevante que me deu vontade de ler. Acho muito legal o autor falar de uma maneira tão direta, colocando o dedo na ferida, mas para fazer as pessoas realmente refletirem. Acredito que ninguém ama sozinho e, mais do que isso, antes de amar outra pessoa é preciso amar a si mesmo. Se não, acaba se tornando uma relação de dependência, algo que pode ser mesmo prejudicial.
    Adorei sua resenha e vou anotar a dica.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Olá! Gostei muito da indicação, não costumo ler este tipo de livro mas achei esse bem interessante por parecer uma conversa direta com um assunto para se refletir! Gostei muito da resenha e amei conhecer mais sobre o livro através da sua experiencia!

    Beijos,
    Conta-se um Livro

    ResponderExcluir
  12. Com certeza a felicidade depende só de nós mesmos, concordo demais. Confesso que sou pisciana e tenho uma dificuldade imensa de me colocar em primeiro lugar, mas pelo menos já aprendi a desapegar de quem não me dá valor. O livro parece ser bem interessante.

    ResponderExcluir
  13. Olá Amanda, não conhecia o livro, mas pelos seus comentários parece estar com ótimos texto além dessa mensagem bem bacana de Amor Próprio *-* Dica anotada.

    ResponderExcluir
  14. Ficou maravilhosa a sua resenha, é possível perceber que os textos do autor nos trazem uma reflexão muito bacana, causam sentimentos no leitor, e isso é muito bom.

    ResponderExcluir
  15. Olá,

    Confesso que não leio muitos livros desse estilo, mas, desde que li um livro do Fred Elboni, tenho sido mais receptiva a esse tipo de história, chega até a ser engraçado observar outra pessoa passando por situações parecidas com as nossas, se apaixonando, tendo seu coração partido, sofrendo e recuperando-se. Por isso, estou doidinha para fazer a leitura desse!

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Olá, tudo bem Amanda?

    Eu adorei a sua resenha, ficou muito boa e é possível perceber o quanto gostou. As fotos ficaram lindas, está de parabéns. Esse parece ser realmente um livro que tira da zona de conforto.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  17. Gostei da resenha, confesso que se visse na livraria não daria muita coisa, mas gostei do que você me apresentou e dos quotes que separou.
    Lembrou o livro do Ique “Trago seu amor de volta”, fala muito sobre amor próprio.
    Vou colocar este na lista também, obrigado pela dica.


    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Oiii!

    Que livro incrivel!! eu estou em busca de obras como essa mesmo, que prenda e seja despretenciosamente boa! Gostei de ler sua resenha está bem completa e envolvente e as fotos estão lindas demais!

    Beijinhos,

    ResponderExcluir